Produção: Happy Soft
Jogo: Finalizado
Ano: 1995
Origem: Japoneses doidos, epiléticos e embriagados
Distribuição: Vendidos nos melhores hospícios do Japão, por preços inacreditáveis!

É difícil entender como esse pedaço de dejeto passou pelo controle de qualidade da Nintendo (se é que ele existia na época). Hong Kong 97 é simplesmente o pior game do disponível no Super Nintendo (e no mundo) e, considerando que ele possui mais de 900 títulos (e mais de zilhões no planeta Terra), isso é um atestado de óbito para o título da Happy Soft.

Além de ter gráficos exagerados e muito feios, a ilusão que é transmitida é que os produtores japoneses do game (os “geniais” Genom e David Chin) estavam totalmente bêbados quando decidiram criar um jogo totalmente nulo, para inteirar o dinheiro de suas cachaças. O fato dessa porcaria estar sendo empurrada no Super Nintendo, faz tudo ser ainda mais chocante.

Faça um favor a si mesmo (é a primeira vez que te aconselhamos isso) e baixe QUALQUER OUTRA coisa na Internet – até os quase-retardados games da Tectoy, se fizer tanta questão em baixar algum jogo. Não invista o seu precioso tempo neste aqui, é uma ROM na sua pior forma até hoje.

É impossível não se perguntar o que, em nome de tudo que é sagrado, fez a Happy Soft decidir que o melhor caminho para o sucesso era criar um game bizarro, feito ás pressas e com uma jogabilidade péssima, estilo “mente perturbada”. É abundantemente claro que alguém, em algum lugar, subestimou grosseiramente os recursos envolvidos na produção de um jogo decente.

Começando com uma mensagem implorando que você venda esse jogo em sua loja, o enredo é totalmente nulo e mal escrito, e parece nem estar ali (de fato, não está mesmo, é só lixo escrito abaixo de cada imagem). Inexplicavelmente, você é obrigado a matar pessoas vermelhas (que não são vermelhas no jogo), simplesmente por eles serem feias (isso é Bullyng!).

Elas começam a ser possuídas e criam uma guerra no mundo inteiro. A suposta habilidade de você acabar com essa guerra. Quando na verdade, você vai parar em Hong Kong , pois não faz idéia alguma por onde começar. O ano de 1997, se tornou sangrento e o único capaz de derrotar essas pessoas doidas é o irmão do Bruce Lee. Sem criatividade para inventar um nome qualquer, o produtor decidiu colocar o nome dele, Chin. Mas, daí a história inverte e, agora, o inimigo se torna o governo. Eles estão com projeto secreto para destruir o planeta (e a si próprios), que envolve bilhões de pessoas que caem do céu.

Se você leu até essa parte da review, já deveria ter suspeitado que o inimigo não poderia ser nada mais nada menos, que uma cabeça gigante que transborda sangue, não é? Eles não dão importância alguma ao que acabaram de citar e o jogo louco começa a saltitar em sua tela. Pessoas que caem do céu, te atacando dos modos mais insanos, enquanto você tenta se locomover com para qualquer canto do cenário.

Se houvesse uma desculpa par isso, como um banquete visual tão grande que fizesse seus olhos saltarem da cabeça e derreterem, acharíamos essa amarga pílula um pouco mais digestiva. Mas, na verdade, os gráficos são terríveis – os modelos de personagens foram totalmente malfeitos, nada no game é bonito. O sprite principal, tem dois rostos, dependo de sua direção (horizontal e vertical). Os inimigos tem habilidades estranhas e tiros, pedras, balas de goma (WTF?), carros aparecem do nada durante game todo. Honestamente, já vimos games melhores rodando no Atari!!

Se você é um grande fã da cultura oriental, deve estar pensando “Ok, mas aposto que alguns elementos típicos japoneses foram incluídos”. Pense de novo. O cenário de fundo, que deveria mostrar elementos típicos de batalha, simplesmente não mostra nada que faça sentido. Até mesmo o fã mais lúcido pelo Japão irá estranhar o game. As únicas referências são ignoradas e apresentadas da forma mais bizarra possível. Sua jogabilidade se assemelha à um pobre coitado correndo em uma mesa de bar. Mesmo que haja certas screenshots japoneses no game, eles são extremamente ridículos. Como uma propaganda feita sem licenciamento nenhuma para Coca-Cola. Não faz sentido? Sempre Coca-Cola!

TODOS os layouts do game são péssimos. Ao derrotar inimigos, uma espécie de bomba atômica (ou uma cabeça explodindo, dependendo da perspectiva) aparece misturada à pessoas fotos de pessoas mortas (mortas mesmo!). Quando você perde sua única vida nessa dimensão paralela, uma foto de um gordo morto, provavelmente em uma guerra ou porque não pagou pela cópia de Hong Kong 97 (uma prova de como os produtores resolviam seus problemas). Ele está morto mesmo. Você se sentira enojado ao olhar para aquilo. Tecnicamente, é um screenshot de uma gravação em VHS retirada em 1992 de uma pessoa sangrando pelo estomâgo, nariz, boca e pênis (desculpem, mas é verdade!).

Deixamos o melhor (ou pior, dependendo do ponto de vista) para o final. O chefe do game é criminalmente tosco. Uma cabeça ambulante que te ataca com suas veias estouradas e transbordando sangue. Além de ridículo é extremamente bugado e você vai querer beber o próprio vômito se for obrigado a lutar com ele mais uma vez.

Depois de nos matarmos para escrever a review desse game péssimo.... horroroso.... na verdade, não sabemos como especificá-los entre as porcarias, pois, ele está abaixo de todas elas. É maçante, sem vida e engraçado por todos os motivos errados. Como todos os aspectos defeituosos, esse game nos faz pensar se existe algum autor por aí cascando o bico em escárnio, como Muttley, o cão do Dick Vigarista, pela piada que aplicou na Happy Soft.

Destaque: Hahahahaahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahhaha!
HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHHAHAHAHAHAHAHAHAHH!
HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA!

Moscas Insignificantes: Socorro! São taturanas gigantes! Alguém me ajude estou morrendo... Não posso olhar para o game. Meus olhos ardem... Chamem um médico. Rápido! Estou enloquecendo. Aksjdhkjhfkjsan!

Sugestão da Casa: Comeu, morreu.

Dificuldade: 4
É incrível notar como esse lixo pode ser tão difícil. Desviar dos inimigos que o doutor de psiquiatria cuidou para que seus pacientes se mantessem sadios, é totalmente insano! Uma única vida, contra tudo que sua mente pervertida imaginar.

Jogabilidade: 0
Homens caindo do céu, enquanto cabeças gigantes te aguardam em uma mesa da Coca-Cola. Pessimamente triste, enfurecedor e... enlouquecedor (cuidado).

Criatividade: 0
Extra! Extra! Guerra em Hong Kong que envolve o mundo faz homens excitados caírem do céu!

Gráficos: 0
Os personagens passaram por uma ‘detalhectomia’. São as ‘dorgas’ que todo mundo parece fumar no game. Jogar esse lixo, é como experimentar uma droga alucinógena. Mas, mesmo assim recomendamos um vício menos perigoso. Como fazer bung-jumping sem elástico, por exemplo.

INSANIDADE: 9999999999999999999999
Existe mais algum tópico que eu possamos dar zero?

Nota Final: 0,0
(infelizmente, ainda não podemos dar negativos...)
Não há absolutamente nada que possamos recomendar em HK 97. Parece trabalho de uma mente pertubada e que precisa de uma série de tratamentos psiquiátricos. Além de sua intrínseca péssima qualidade, que parece aquele tipo de piada fraca acompanhada de uma cotovelada estilo “hã?, Hã? nos primeiros minutos. Quando a parte hilária começa a desaperecer, tudo que sobra é uma triste e saca fatia de...

ESTRUME DE VACA.
Por: LeliJhon LJ quarta-feira, outubro 24, 2012 | As

# Compartilhe